Dossiê Fotografia Alagoana Fotografia

DOSSIÊ Fotografia Alagoana – A poesia das formas em preto e branco de Luísa Patury e Tony Admond

1ª edição - Dossiê Aqui Acolá Fotografia Alagoana

O registro da história do mundo deve muito à fotografia. Olhar as cenas e personagens em preto e branco nos desperta um sentimento contemplativo e nos faz lembrar (e imaginar) de como éramos. Nos dias atuais, onde as cores e o apelo efêmero pelo visual nos atinge quase a cada minuto, os jovens fotógrafos alagoanos Luísa Patury e Tony Admond mostram em seus trabalhos a habilidade de prender-nos o olhar para as formas e a essência das cenas, paisagens e pessoas, tomando emprestado o efeito histórico e estético do preto e branco.

Blog Aqui Acolá -luisa paturyLuísa Patury
Os olhos de grande angular da fotógrafa Luísa Patury ao se debruçar sobre as imagens da vida buscam captar a beleza das paisagens, a essência dos elementos e a poesia das imagens. Seu foco bem calibrado revela um olhar sensível e atento aos detalhes. E com um toque magistral, suas fotos conseguem demonstrar o destaque e o minimalismo do close, junto com a amplitude e a vastidão de uma panorâmica.

A alagoana despertou para o mundo da fotografia aos 16 anos num intercâmbio que fez nos Estados Unidos. Lá aprendeu a usar as máquinas analógicas, a câmara escura, a usar os diferentes tipos de químicos para a revelação dos filmes. De volta à Maceió, na hora de escolher a faculdade, viu-se confusa por não encontrar nada que se conectasse ao universo fotográfico. “Fiz um ano de Publicidade, mas vi que não era isso que eu queria”, lembra Luísa. “Parti pra Arquitetura e me formei, mas continuei levando a fotografia como um hobby.” Mesmo cursando a universidade, ela ainda achava tempo para aprimorar seu conhecimento com as câmeras buscando cursos inclusive fora de Alagoas.

Em 2013, foi morar em São Paulo e entrou no curso de fotografia Fine Art e mergulhou no mercado e pós-produção da fotografia como arte. “A partir daí eu vi meu trabalho tomando um rumo e se aproximando mais da minha realidade. Depois disso eu resolvi entrar de cabeça nesse mundo, tanto que quando voltei pra Maceió realizei a minha primeira exposição individual, bem verde ainda”.

Blog Aqui Acolá -Luisa Patury - O regresso
O regresso, de Luisa Patury
Blog Aqui Acolá -Luisa Patury - Silêncio do mar
Silêncio do mar, de Luísa Patury

No ano seguinte despontou com a segunda mostra individual no Espaço Cultural Arte Pajuçara, onde mostrou a sua série Ah! Lagoas. São fotos onde ela busca retratar a identidade do povo e do estado. Contudo, buscando ir além da parte estética das belezas naturais. “O intuito é explorar a poesia que eu vejo em Alagoas”, revela. E essa poesia pode estar presente no rendado de uma rede de pesca, na folhagem da palha de um coqueiro, na textura encaliçada da mão de um pescador, na solidão de uma jangada partindo pra o mar… As possibilidades e imagens são inúmeras.

Em 2014, ganhou o primeiro lugar no Salão de Fotografia do Museu Pierre Chalita, o que só veio lhe assegurar que estava no caminho certo. “Foi uma espécie de aprovação e validação da minha escolha de vida, porque até então eu ainda tinha uma insegurança de me afirmar como fotógrafa”, diz ela. “Tudo isso acabou se tornando um combustível a mais para seguir em frente”.

Blog Aqui Acolá -Luisa Patury -
Descanso, de Luisa Patury
Blog Aqui Acolá -Luisa Patury - Luz no fim do túnel
Luz no fim do túnel, de Luisa Patury

A fotografia artística me chamou a atenção desde o início. Sempre gostei muito de fotografar paisagens, arquitetura, culturas, sempre de forma mais documental”, afirma. Dos trabalhos de Luísa, as fotos em preto e branco são as que causam mais impacto à primeira vista. “Não é só na minha linguagem de expressão artística, o preto e branco retrata muito de mim”, confessa. Segundo ela, as formas se acentuam mais com a ausência da cor, fazendo que com que aquela imagem se perpetue por muito mais tempo. “Ao mesmo tempo gosto de sobressair uma cor diferente dentro do preto e branco, isso dá um detalhe mais minimalista que acho muito interessante”.

Dentre as referências e inspirações, Luísa Patury destaca a figura lendária do francês Henri Cartier-Bresson, ao lado do brasileiro Sebastião Salgado. “Outro que admiro muito é o Cláudio Edinger, os trabalhos dele têm muito a ver com uma série que estou desenvolvendo chamada Miopia, na qual eu tento passar para as pessoas a forma como eu vejo o mundo”, comenta. “Tem também o Celso Brandão, alagoano, que tem um trabalho muito consistente e traz muito conteúdo cultural e histórico.

Blog Aqui Acolá - Luisa Patury - Coruripe
Coruripe, de Luisa Patury

Sobre o dia a dia do fazer fotográfico, Luísa comenta que o reconhecimento do trabalho do fotógrafo está aumentando vertiginosamente. “Nos últimos anos a profissão vem tendo um respeito muito maior entre os artistas e o público, inclusive.” Já a respeito do mercado, ela afirma que o mais importante é ter uma boa bagagem de conhecimentos antes de pressionar o click do obturador. “Fotografia é memória, é história cultural. Quando você começa a ter a percepção e sensibilidade de registrar os momentos que você pretende fotografar, você consegue entrar no mercado”.

Luísa revela estar muito entusiasmada com o futuro de seus projetos. “Além das experiências profissionais, eu pretendo me capacitar, fazer cursos fora. Eu acho que o fotógrafo tem que estar em constante renovação, tanto de portfólio quanto de conhecimento”, conclui.

 

Blog Aqui Acolá -Luisa Patury - Maré secaPOESIA “AH! LAGOAS”

Alagoas é meu berço, minha raiz
Uma terra hospitaleira de gente feliz
Onde o azul do céu se confunde com o azul do mar
E o canto das ondas se mistura com canto do sabiá

De tanto sol e amor é calorosa
Alagoas, minha estrela radiosa
Sua natureza é farta, é rica, é bela
É o encanto de uma paisagem singela

O velho barco se lança ao mar
Os pescadores vivem a remar
Navegando pelo litoral alagoano
Na infinitude de seu oceano

Os coqueirais dançam com o vento
Em sintonia baila o mar em movimento
As nuvens são feitas de algodão
Desenhando-se além dimensidão

Os corais surgem no farol
No horizonte se revela o pôr-do-sol
Terra que canta e encanta
Que o meu coração acalanta

São personagens desse lugar
O pescador, o céu e o mar
Que suplicam para serem retratados
E através do meu olhar serão eternizados
(Luísa Patury, 2014)

Blog Aqui Acolá - Foto Tony Admond (11)

Tony Admond
Capricorniano, nascido a 2 de janeiro, o maceioense Tony Admond já era ligado em arte e trabalhos manuais quando criança, na mesma época em que as fotos entraram em sua memória afetiva. “Minha mãe sempre fotografava a mim e meu irmão, quando comprava uma câmera descartável (chamada LOVE) e aquilo ficou na minha cabeça, a importância de registrar o tempo, a passagem da vida”, lembra ele.

No entanto, começou a despertar para o fazer fotográfico já adulto quando passou a frequentar eventos, pesquisar e ler sobre grandes fotógrafos que começaram a aguçar e influenciar seu olhar. “Há 5 anos me dedico profissionalmente e a responsável por eu ser fotógrafo hoje é minha mãe, dona Áurea”.

Blog Aqui Acolá - Foto Tony Admond (6)
Foto Tony Admond

Iniciou fazendo cursos no Senac em Maceió, também em Recife e São Paulo. “Estudei com o grande fotógrafo Juan Esteves e ele se tornou uma grande referência para mim no quesito retrato, assim como Jorge Bispo”, afirma. “De resto é muita leitura, observação e cliques”.

Ele também destaca outros nomes da fotografia alagoana nos quais se inspira como Karla Melanias, Celso Brandão, Ricardo Lêdo e Walter Karwatski. “Também o carioca Walter Firmo, o mestre da cor, meu amigo a quem chamo de pai. Sebastião Salgado, Ansel Adams, Annie Leibovitz, Steve McCurry, Richard Avedon, Helmut Newton e tantos outros”.

Aqui Acolá - Tony Admond BAIÃO
“Baião”, de Tony Admond

Participou de concursos promovidos pelo Museu Pierre Chalita e em 2013 ficou em 2º lugar com a foto intitulada “Baião” e a partir daí, segundo ele, começou a tomar ainda mais gosto pelo mundo visual. “Essa foto foi tirada durante as comemorações do centenário de Luiz Gonzaga no Teatro Deodoro, numa apresentação do Coretfal”. Logo após, ela foi adquirida pelo Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro para integrar a Coleção Gilberto Chateaubriand em 2014.

Pessoas são os alvos que ele mais gosta de focar em suas lentes, junto com cenas e coisas do cotidiano. Ultimamente, Tony vem se dedicando às fotos de retrato, principalmente em preto e branco.

Acredito que para esse tipo de foto, o preto e branco comunica mais diretamente no brilho do olhar, no sorriso, nas formas, nas sombras. O retrato é o que mais me instiga hoje com a fotografia”, revela. “Estou pesquisando e me aperfeiçoando nisso. Eu gosto dessa simplicidade da câmera, a luz natural e a outra pessoa”.

De acordo com Tony, o retrato não é simplesmente apontar a câmera para o modelo e apertar o botão enquanto ela sorri. “Eu preciso conhecer a pessoa, bater um papo com ela, saber dos seus gostos, seus interesses”, afirma. “Minha intenção é captar não apenas a imagem, mas a energia da pessoa. Assim a fotografia passa mais verdade para o olhar”.

Em 2015, estreou sua primeira exposição individual chamada Atemporal no Centro Cultural Arte Pajuçara, reunindo 17 obras que contemplavam sua trajetória fotográfica. No ano seguinte, voltou ao Rio como artista convidado para o Ateliê da Imagem, onde expôs a obra “Vida”, projeção de vídeo experimental.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Hoje estou trabalhando num grande projeto que, na primeira parte chama-se Como Você Se Vê, com uma tela minha integrando a exposição coletiva Horizontes, que está em cartaz na Pinacoteca Universitária”, diz ele. A tela é composta por 100 selfies frutos de uma campanha que ele fez nas redes sociais.

Além disso, está nos planos de Tony uma exposição na área do audiovisual, composta de vídeos curtos englobando os retratos. Ele também irá chamar algumas das pessoas que enviaram as fotos que compõe a tela para posarem para ele.

Blog Aqui Acolá - Foto Tony Admond (5)
Como Você se Vê, projeto de Tony Admond

*Dossiê – Fotografia Alagoana 

Você não fotografa com sua máquina.Você fotografa com toda sua cultura”. A frase de fotógrafo Sebastião Salgado abre alas para o nosso “Dossiê Aqui Acolá – Fotografia Alagoana”, que estreia com a missão de mostrar um panorama do que é produzido AQUI em Alagoas. Faremos uma abordagem ampla destacando os novos fotógrafos, a exemplo de Luísa Patury e Tony Admond, que inauguram a edição de estreia. Mas sem esquecer quem está no mercado há mais tempo.

Vamos discutir também as diversas relações da fotografia com a contemporaneidade; fotografia documental, fotografia artística; tendências, exposições, equipamentos, além de abordar a profissionalização e desafios do mercado local. E claro, mostraremos os belíssimos registros que os nossos fotógrafos são capazes de produzir com ‘sua cultura’!

Iranei Barreto


Tony Admond

Site: https://tonyadmond.46graus.com/
Facebook: https://www.facebook.com/tadmond
Instagram: @tonyadmond_photo
Youtube: https://www.youtube.com/user/TonyAdmond


Luísa Patury

Site: luisapatury.wixsite.com/luisapatury
Facebook: https://www.facebook.com/Luísa-Patury-Fotografia-Arte-440077409407707/
Instagram: @luisapatury_fotografia

8 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: