Artes intervenção Aqui Acolá

Paulo Caldas–O mágico da arte

Quando Paulinho – menino arteiro e que dava muito trabalho aos pais – deitava a cabeça viajante no travesseiro à noite, sempre pedia a seu anjo da guarda uma varinha mágica que acabaria com seus problemas (notas vermelhas no boletim, dores de ouvido e os machucados decorrentes das brincadeiras de rua eram os mais comuns). Dia após dia, ele acordava e se desapontava com o pedido não atendido. Alguns anos depois, o jovem Paulinho – pintor, marido e pai – colocava a filha Savana para dormir e ia trabalhar em suas telas. Uma noite comum igual àquelas de sua infância. Mas, quando seus olhos fitaram o brilho da luz da luminária no pincel empunhado em sua mão, ele notou, emocionado, que já era um mágico há muito tempo, mesmo sem ter percebido. O Aqui Acolá se rende à sua magia e o homenageia como o artista especial de novembro.

15168681_1204170559629598_7891184043814778417_o
Paulo Caldas quando criança. Foto: Acervo do artista

Natural de Maceió, Paulo Caldas já demonstrava uma sensibilidade artística desde criança. “Lembro que gostava de ver as bolas de Natal que a minha vó pendurava na árvore e ficar viajando nas cores e nas luzes”, afirma. “Todo dia eu julgava uma mais bonita que as outras, apesar de serem as mesmas”. As cores e as tonalidades também despertavam sua curiosidade na natureza. No final da tarde, ele sempre parava as brincadeiras para tentar capturar com o olhar a passagem entre o dia e a noite no horizonte. “Na hora, alguém sempre me distraía e eu perdia o momento. No outro dia, lá estava eu tentando novamente”, lembra ele, rindo.

15123064_1204170969629557_7221860154074065617_o
Família de Paulo Caldas. Foto: Acervo do artista
15156975_1204171392962848_4799069693921550275_o
Paulo Caldas acompanhado por sua família. Foto: Acervo do artista

Curioso, Paulo seguiu vivendo, pensando e viajando, seja com a música,  poesia ou pintura.

“Sempre gostei muito de ler e de escutar, principalmente. Tanto que quando perguntam sobre as influências que tenho no meu estilo de trabalho, eu digo que fui muito mais influenciado pelas coisas que li e escutei do que por outros pintores”, revela.

Além disso, avesso à escola e ensinamentos, quase sempre trilhava seus caminhos por conta própria. Foi assim com o violão, o desenho e a pintura. “Com 19 anos eu estava em São Paulo e fui ter aulas num ateliê. Mas quando o professor pedia pra eu copiar um retrato, no meu papel saía tudo menos o rosto da pessoa”, fala. “Quando eu descobri essa limitação, meu horizonte se abriu porque eu percebi que eu poderia explorar o meu próprio mundo”.

E esse mundo particular, surreal e multiartístico incluem o desenho, a pintura, a poesia e a música. A inspiração chega como um espírito, um santo, uma voz falando-lhe aos ouvidos. E o processo é tão intenso que ele compõe as linguagens quase que ao mesmo tempo, uma atropelando a outra. Um acidente com a tela que esteja pintando pode lhe despertar a vontade de escrever e, já ao final da poesia, uma música venha quase instantaneamente.

paulo-caldas-aqui-acola-3
Foto: Acervo do artista
paulo-caldas-640x4271
Foto: Divulgação
15086806_1204181282961859_678028857_n
Foto: Acervo do artista

Na arte visual, apesar de ser reconhecido como um dos pintores que mais sabe trabalhar com as tonalidades de cor, ele revela que o que mais lhe dá prazer é misturar o grafite e o nanquim em tons de preto e cinza. “Gosto de trabalhar com óleo, com acrílica, mas a minha praia é o preto e branco”.

Após esse período em São Paulo, passou um tempo em Brasília que foi determinante para seu futuro como pintor. “Fiquei na casa de um tio meu que me incentivou a começar a pintar em tela. Ele comprou pincéis, tintas e umas 20 telas para que eu pintasse na casa dele. Eu sei que só saí de lá depois que produzi as 20”. Paulo voltou pra Maceió com as pinturas na bagagem e, quando chegou, viu um anúncio de pauta para exposição no Teatro Deodoro.

14958888_1191625817550739_352804549_n

paulo-caldas-aqui-acola-1

Conseguiu o espaço e essa primeira exposição individual com as telas que fez em Brasília rendeu-lhe o respeito e admiração dos amigos e da família, além de servir como um cartão de visitas para um pintor novo que chegava ao circuito das artes plásticas alagoanas cheio de força e expressividade. “Aquilo foi extremamente importante porque me deu uma base, eu senti segurança e firmeza no que estava fazendo. Foi aí que despertei e percebi de verdade que eu era artista e era isso que eu tinha que fazer”.

15179156_1203634333016554_4034760268589503149_n
As obras de Paulo fazem com que o expectador expanda os sentidos, sejam visuais e/ou mentais. Isso se dá tanto pelos elementos do céu e do espaço que estão sempre presentes em seus desenhos como pássaros, estrelas e luas, quanto pelo surrealismo e o mundo mágico que ele retrata.

paulo-caldas-aqui-acola-7paulo-caldas-aqui-acola-4

Intervenção – Aqui Acolá 

paulo-caldas-aqui-acola-2

A intervenção na marca do Aqui Acolá é um bom exemplo do traço marcante e do universo de Paulo Caldas. “O blog vem dando uma divulgação e uma importância muito grande para o meu trabalho e de outros artistas, como eu venho acompanhando”, diz ele. “Eu imaginei o Aqui Acolá como se fosse um ninhal de acolhimento da cultura, uma coisa de aconchego, de pegar e cuidar, de fazer crescer”, conclui.

2 comentários

  1. Adorei a matéria e pude até descobrir alguns detalhes sobre a sua trajetória que até eu, filha há 30 anos, desconhecia. 🙂 Parabéns pelo trabalho, Iranei e Nicollas. 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: