Livros

Escrevendo histórias com Catarina Muniz

O sorriso largo, franco e espontâneo da escritora Catarina Muniz ao falar sobre seus livros reflete a alma de uma pessoa que encontrou seu caminho: o caminho das histórias, da literatura e da escrita. Sua imaginação fértil já deu cria a dois livros lançados nacionalmente, dois ainda inéditos e outro já está em fase inicial de produção. O Aqui Acolá bateu um papo com a autora sobre vida, livros e a relação com os leitores.

 

O sorriso largo, franco e espontâneo da escritora Catarina Muniz ao falar sobre seus livros reflete a alma de uma pessoa que encontrou seu caminho: o caminho das histórias, da literatura e da escrita. Sua imaginação fértil já deu cria a dois livros lançados nacionalmente, dois ainda inéditos e outro já está em fase inicial de produção. O Aqui Acolá bateu um papo com a autora sobre vida, livros e a relação com os leitores.

12289744_900322270021719_8536572002083809954_n
Foto: Acervo pessoal da escritora

Ela lembra que a relação com o mundo das letras começou timidamente, ainda na infância e adolescência. “Sempre gostei de ler, mas nunca fui viciada em livros. Lia mais gibis, revistas, coisas daquela idade mesmo”, diz ela. “O que eu sempre percebi, desde cedo, foi a facilidade que tinha pra criar histórias e escrever. Mas nunca observei isso com algum objetivo ou pretensão.”

Porém, como ela mesma gosta de dizer, às vezes a ordem se inverte e são os caminhos que escolhem as pessoas. Em 2012, Catarina desenvolveu a síndrome do pânico. “Foi uma das experiências mais bizarras da minha vida e me virou de cabeça pra baixo”, revela. Foram muitos episódios de crises, que acarretaram até em internação e licença médica do trabalho.

“Nesse momento em que estava meio perdida eu comecei a escrever um blog, em que colocava contos adultos, eróticos, algumas poesias. Era uma espécie de terapia, de válvula de escape”, afirma ela. Mas a enorme quantidade de acessos que o blog recebeu chamou a atenção de Catarina.

13012783_976123245774954_2354226658381527763_n
Foto: Divulgação

Com o reforço positivo vindo do mundo virtual e o incentivo das amigas, que sempre insistiram para que ela botasse as ideias pra fora, as histórias que flutuavam na mente de Catarina finalmente encontraram uma brecha e puderam escapar para as linhas do papel. A partir daí, ela começou a produzir sem parar. O primeiro livro (“O Segredo de Montenegro”) saiu em dois meses e meio; o segundo (“A Dama de Papel”) foi escrito em apenas seis meses.

12074795_879298178790795_870539890542154745_n

12063293_879550862098860_4061588316189076878_n
Foto: Acervo pessoal de Catarina Muniz. Participação na Bienal de Pernambuco

“Foi assim que aconteceu, meio sem querer, e agora não consigo mais sair dessa vida. Eu acho que encontrei, definitivamente, a minha atividade”. Suas obras têm em comum apenas o formato: romance de ficção. Mas a temática e a forma de abordar as histórias são diversas e a autora prefere que continue assim.

11885152_858917790828834_1093045222888108284_n
Foto: Divulgação

O Segredo de Montenegro” era uma das histórias que Catarina já guardava desde a adolescência. A trama tem uma carga dramática pesada, envolvendo abuso e traumas severos. “Foi um período turbulento, psicológica e emocionalmente falando, então eu só sentava e escrevia, e o livro saiu quase como um vômito”. Ela lembra que escrever o primeiro romance foi um processo de descobertas. “Todo capítulo que fazia eu mandava para minha irmã. Eu precisava saber se o que eu estava fazendo parecia um livro de verdade”, lembra, aos risos.

O livro conta a história de um psiquiatra forçado a assumir uma clínica de repouso de luxo de seu pai. Na clínica, ele conhece uma jovem enfermeira, que vive para o trabalho. A partir de um acontecimento inesperado, os dois se envolvem numa relação de chantagens e jogos de poder, explorando aspectos psicológicos. “Eu penso em escrever um segundo livro, acho que ele merece uma continuação. São personagens muito complexos e eu acho que devo explorar mais essa história”, revela.

02
Foto: Divulgação

O segundo romance, “A Dama de Papel”, veio logo em seguida e projetou a autora nacionalmente. Lançado pela Universo dos Livros em 2015, a obra chamou bastante atenção e vem recebendo elogios de muitos leitores de todo o Brasil. “A Dama de Papel” é um romance erótico ambientado em Londres no ano de 1875, e conta a história de Molly, uma jovem dama da sociedade vitoriana, que foge de casa e acaba virando prostituta na periferia londrina. Ela começa a se envolver com Charles, um rico herdeiro da indústria têxtil. O livro pode ser adquirido nas grandes livrarias e pelo site da Universo dos Livros (http://universodoslivros.com.br/).

 

LEITORES

335022_223630071024279_1404176061_o
Foto: Canel Jr.

“É uma loucura gostosa demais”, é assim que Catarina define a relação de interação que tem com seu público. A maioria dos leitores entra em contato com ela através das redes sociais (Facebook e Instagram). “Tenho me deparado com muita gente de lugares que eu nem conhecia o nome, e postam fotos com os livros, falam que choraram e se emocionaram”, afirma. “Você acaba tomando consciência de que um livro termina virando amigo das pessoas, e você entra na vida delas. Elas te levam pra casa. É muito louco”, diverte-se ela.

Carmim 3

Ela procurou estreitar ainda mais a relação autor/leitor no romance que acabou de concluir. “Carmim” é o primeiro livro de Catarina escrito em primeira pessoa e, além dessa novidade, a obra foi disponibilizado na plataforma virtual Wattpad, na qual ela postava capítulo a capítulo e os leitores cadastrados no site podiam comentar a qualquer momento. “É uma experiência bastante interessante também, já que pude perceber a reação quase imediata de quem lê”.

“Carmim” já ultrapassou 7.500 leituras e só recebeu comentários positivos nos 34 capítulos disponibilizados. Um dos grandes desafios desse trabalho foi escrever sob o ponto de vista masculino. “É muito difícil imaginar a forma como um homem pensa. Tive até o auxílio de uma blogueira nesse aspecto”, revela.

Com a empolgação e a felicidade estampadas no rosto, mas os pés firmes no chão, Catarina vislumbra ainda um longo caminho pela frente. “Ainda estou engatinhando nesse processo. Mas tenho a certeza de que quero ir longe”. Ela também falou sobre as melhores coisas que a escrita tem lhe proporcionado:

Catarina ainda revelou ao Aqui Acolá alguns detalhes de seu mais novo trabalho, que ainda está nos capítulos iniciais:


*Créditos da imagem de destaque do post e imagens que estão ilustrando os dois aúdios: Canel Jr. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: